Conheça a incrível história do scrapbook
Scrapbook

Conheça a incrível história do scrapbook

história do scrapbook
Escrito por Scrap Store

Quem o pega em mãos, mal imagina a história do scrapbook e como teve origem esse álbum de recortes tão querido por muitos. 

Ainda sem tradução na língua portuguesa, a palavra scrapbook vem do inglês: scrap, que representa recortes ou fragmentos e book, que significa livro ou álbum.

O scrapbooking é o ato de fazer um scrapbook, ou seja, a arte de criar um álbum de memórias, utilizando fotos, etiquetas, papéis decorativos, carimbos, entre outros enfeites.

Mas engana-se quem pensa que o scrapbook é aplicado apenas em álbuns. Você também pode usar o conceito em festas, lembrancinhas, materiais escolares etc.

Agora, como surgiu essa técnica de guardar recordações de forma tão criativa? Conheça a história do scrapbook abaixo.

Origem no século XV

A ideia que, mais tarde, viria a se tornar o scrapbook começou com a compilação de receitas, cartas, poemas, entre outros papéis, na Inglaterra antiga. Esses livros reunindo diversos interesses de quem os criou eram chamados de commonplace books.

Em seguida, no século XVI, surgiram os álbuns da amizade, algo parecido com o que chamamos hoje de anuário escolar, onde se resumem recordações do ano letivo.

Note como a ideia de guardar lembranças é antiga, mas, com o passar dos anos, foi evoluindo.

Esses álbuns da amizade eram constituídos de nomes, títulos, desenhos ou textos curtos feitos pelos amigos e até mesmo fregueses de seu dono. Eles serviam também como uma lembrança de viagens.

Em 1570, começaram as decorações desses álbuns. Tornou-se comum incluir placas coloridas retratando cenas populares, como o carnaval.

Aos poucos a ideia do scrapbook foi ganhando forma e outro conceito que auxiliou foi o grangerizing, que começou em 1769 com James Granger. O clérigo britânico publicou uma história na Inglaterra e acrescentou algumas páginas em branco para que os leitores pudessem personalizar como desejassem.

Assim, as pessoas passaram a inserir novos assuntos em livros, colar ilustrações, reunir artigos de jornais e adicionar outras lembranças a essas páginas.

Os primeiros scrapbooks

Não há uma data certa para a origem do scrapbook, mas, ao longo da história, foram aparecendo os primeiros sinais do que, hoje, se tornaria o scrapbooking.

Começando com Thomas Jefferson. O terceiro presidente dos Estados Unidos criou uma série de álbuns repletos de notas, desenhos, recortes de jornais e artigos.

No século XIX, a Rainha Vitória, na Inglaterra, também deixava um álbum semelhante, que pode ser considerado um scrapbook, exposto em seu palácio.

Em 1825, foi lançada a série The Scrapbook, que reunia dicas sobre como usar fotos e outros recortes para preencher um scrapbook em branco.

Mas foi o Manuscrito Gleanings e Scrapbook Literário, um livro de 1826, que caiu no gosto da classe média americana. O livro, além de estar cheio de poemas e gravuras, mostrava o que fazer com recortes coletados.

Lembre-se que, nessa época, não existiam câmeras, logo, o scrapbook servia, principalmente, para guardar recortes de jornal, cartões telefônicos, cartões religiosos, sobras de papel, citações, poemas, cartas de amor, anúncios, entre outros.

Com o interesse por esse hobby, empresas começaram a produzir álbuns mais resistentes, com páginas temáticas para atender os amantes de scrapbooking.

A revolução da fotografia na história do scrapbook

A primeira fotografia, muito diferente de como a conhecemos hoje, foi criada em 1826, por Joseph Nicéphore Niépce. Ele conseguiu uma imagem fraca do quintal da sua casa, por meio de uma câmara escura e processos químicos.

Em 1839, o processo da fotografia tornou-se público e revolucionou diversas áreas do cotidiano, inclusive a forma de enxergar o scrapbook.

Alguns anos depois, em 1857, surgiram nos Estados Unidos os álbuns para guardar as fotografias, algo hoje tão comum em todas as casas.

Os scrapbooks, então, começaram a ganhar cantoneiras para acomodar as fotos e anotações de onde, como e quando aquela fotografia fora tirada.

A câmera e o rolo de filme, em 1888, continuaram revolucionando a fotografia e o cotidiano. Ela, então, se tornou cada vez mais comum e peça fundamental para os scrapbooks.

A fotografia é, aliás, a principal diferença entre os scrapbooks antigos e os novos.

Os momentos ruins do scrapbook

Na história do scrapbook, dois momentos foram ruins: 1900 e 1940.

Com a recessão da Primeira Guerra Mundial, em 1900, muitas empresas de decoração e scrapbooking faliram, além de as pessoas deixarem de investir nesse hobby.

Já em 1940, houve uma decaída na produção de scrapbooks graças aos álbuns de fotos, que se tornaram os queridinhos do momento.

Scrapbook moderno

O scrapbook voltou com tudo em 1980, na Conferência Mundial de Utah, com Marielen W. Christensen mostrando ao mundo os 50 volumes de seus livros de memórias em família.

As pessoas adoraram tanto que Marielen abriu o que é considerada a primeira loja de scrapbooking do mundo, a Keeping Memories Alive, traduzida como “Mantendo As Memórias Vivas”.

Dez anos depois, o scrapbooking era um dos passatempos favoritos dos americanos.

A arte do scrapbook chegou aos Estados Unidos há mais de 100 anos e se desenvolveu, principalmente, nas regiões de Utah e Salt Lake City, com concentrações de famílias Mórmon.

Outra revolução: a internet

Com o advento da internet, as pessoas começaram a compartilhar os seus scrapbooks, o que permitiu que o mundo inteiro caísse nas graças dessa arte.

Surgiram diversos sites sobre scrapbook e as lojas perceberam que ali havia um mercado em crescimento.

O scrapbook chegou há alguns anos no Brasil, mas, mesmo em pouco tempo, tem ganhado muito reconhecimento. Existem diversos sites brasileiros com passo a passo, dicas, além de lojas especializadas.

Novos materiais, novos ares

O scrapbooking continua crescendo e se desenvolvendo. O scrapbook deixou de ser apenas um álbum qualquer para se tornar uma forma de artesanato expressiva e criativa. Tanto que é a fonte de renda de muitas pessoas.

Com a evolução dos materiais, foi possível levar o scrapbook para outro patamar. Hoje, é possível encontrar materiais próprios para scrapbooking, como papéis livres de ácido, botões, tinta, colas, fitas adesivas, carimbos, canetas, entre outros.

A técnica se expandiu e foi aprimorada. O scrapbook acabou se ramificando e agora existe, por exemplo, o scrap festa e o scrap decor.

Se você gostou de conhecer a história do scrapbook, não esqueça de assinar a nossa newsletter para receber outras dicas e conteúdos exclusivos!

Sobre o autor

Scrap Store

Deixar comentário.

Share This